fbpx

A Pele e as Emoções

Já parou para pensar a respeito da pele? Sabia que ela vai muito além de um órgão de revestimento e suas funções são muito maiores do que imaginamos quando tratamos da conexão corpo e mente?

Conceito

A pele é o maior órgão do corpo humano, possui funções importantíssimas como regulação de temperatura, proteção contra raios solares e microorganismos, comunicação com o meio externo, além da identificação pessoal. Se pudéssemos retirar nossa pele como uma roupa, seríamos um complexo musculoesquelético sem identidade, todos iguais! Portanto trata-se de um órgão social, que não só capta as informações do ambiente, mas também dá a identidade e traços a cada pessoa.

Outro fato muito interessante e, muitas vezes passa despercebido, é que a pele se origina da mesma estrutura embrionária que o sistema nervoso. Sim! Após a fecundação, é gerado o embrião, ele possui 3 partes das quais se originarão todos os órgãos e a pele e o sistema nervoso serão formados da mesma parte, logo notamos que há uma íntima relação entre pele e sistema nervoso, entre doenças de pele e o emocional. Inclusive, há uma área da ciência, a Psicodermatologia, que estuda as repercussões emocionais na pele e já existem algumas doenças que já são comprovadas cientificamente que se o emocional não é a causa, ele faz com que perdure ou piore o quadro; exemplos são a acne, psoríase, vitiligo, alguns tipos de dermatite, melasma e um dos mais interessantes, o queloide (esse merece ser abordado individualmente em outro artigo).

Descoberta

Particularmente, acredito na lei da física que diz que na natureza nada se perde, tudo se transforma, então a energia do nosso corpo e mente, se não fluir de modo adequado, se transformará em doenças, como uma forma de nos falar que algo está errado e precisa ser corrigido. A Medicina tradicional, muito bem vinda e necessária, acaba agindo nos sintomas e não na causa, na causa que vai além de uma má alimentação, de exposição a determinadas substâncias, de falta de cuidados com o pós-operatório e uma série de “causas” que estão na maior parte das vezes, no fim.

Sempre discuti com colegas da área de Estética e Cirurgia Plástica de como a pele é sensível às reações emocionais e como isso influencia nos resultados dos nossos tratamentos que envolvem este tecido, porém algumas pessoas resistem ainda em ver esta relação das emoções com nossa saúde, pois sempre a sociedade nos educou a apenas racionalizar, a pensar com a mente e esquecer o coração, esquecer que temos sentimentos e somos movidos a emoções; então isso acaba ficando muito abstrato, principalmente nos países ocidentais. No livro “Você pode curar sua vida”, a autora Louise Hay, aborda esta questão e como padrões de pensamento afetam diretamente nossa saúde e se manifestam em diversas partes do corpo, além de como podemos mudar nossa forma de pensar e contribuir para o tratamento e cura de doenças.

Sentimentos

Nesse sentido, a pele não só é um órgão social, mas também relacionado à individualidade, à autoaceitação, ao convívio social diante da ansiedade, do medo, do sentir-se ameaçado, da presença de mágoas antigas. A acne reflete não gostar de si mesmo, não se aceitar; os cravos (tecnicamente chamados de comedões), ao não ser amado e sentir-se sujo; a psoríase, ao medo de ser magoado, à recusa de assumir responsabilidade pelos sentimentos; o vitiligo, à sensação de não pertencer ao grupo; as dermatites (alergias de pele), ao “estar com alergia de alguém”. Ao lidar com estes quadros e se olharmos para dentro das pessoas com estas alterações de pele é possível perceber que realmente algo não está bem, que há um conflito interno e/ou social; porém muitas vezes, elas mesmas não enxergam e acham que a solução está unicamente no tratamento estético daquele problema… Ele é apenas uma das ferramentas, talvez nem seja a mais importante.

Quando fiz o curso de PNL (Programação Neurolinguística) da Meda Academy e vi que existem pesquisas de alto nível com esta técnica e como ela é eficaz, fiquei imaginando como isso poderia ajudar os meus pacientes/clientes, as pessoas de forma incrível, porém o grande desafio: como fazê-los enxergar e aceitar que o tratamento é mais complexo do que eles imaginam, que se eles olharem para dentro deles, a solução será muito mais rápida. Este é um grande desafio que compartilho e acredito que será superado, pois já fico muito feliz em saber que é possível ajudar as pessoas, de forma mais profunda e completa, mesmo em uma área voltada para a beleza, em que muitas pessoas não vão atrás de saúde e qualidade de vida, mas de entrar em padrões de beleza impostos pela sociedade para ela ser aceita. Eu fico me perguntando: como uma pessoa quer ser aceita pelos outros, se ela mesma não se aceita? A pele dela me mostra isso claramente…

Livro consultado e sugerido: “Você pode curar sua vida”, Louise Hay, 12ª edição,  Editora Best Seller, 2008.

8 de maio de 2017

4 Comentários em "A Pele e as Emoções"

  1. “A energia do nosso corpo e mente, se não fluir de modo adequado, se transformará em doenças”
    Grande verdade linda !
    Passei por isso!
    Parabéns pelo artigo!

  2. Obrigada, Luly querida! Fico feliz que tenha gostado! 😉

  3. Oi amiga,adorei seu artigo.To orgulhosa de ter uma como você, que tem me ajudadado de varias maneiras.
    Sucesso.
    Beijos.

Deixe sua mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2018 Meda Academy Training - Todos os direitos reservados.